SUBLUXAÇÃO
Poder das Mãos Web
Redes Sociais
Links Úteis
NOTÍCIAS
Cálculo na vesícula

 

Cálculo na vesícula
 
O que voce gostaria de saber
 
descriçao
 
Colelitíase é um termo médico para pedras (cálculos) na vesícula biliar. Às vezes as pedras não causam nenhum sintoma. Outras vezes pedras causam colecistite (uma inflamação da vesícula biliar). As pedras impedem que vesícula biliar se esvazie como deve. Isto produz dor na região superior direita do abdômen em baixo das costelas. A inflamação da vesícula biliar, ou colecistite, é basicamente um problema mecânico. A vesícula biliar serve como uma área de armazenamento para bílis que é produzida pelo fígado. Bílis recentemente formada é um fluido pouco espesso, amarelado. Durante a digestão dos alimentos (especialmente as gorduras) a bílis é lançada no intestino delgado. Lá, mistura-se com sucos do pâncreas e o ácido de estômago para ajudar a digerir a comida de forma que esta possa ser absorvida. A bílis também é reabsorvida com a comida e é então reaproveitada. A vesícula biliar não faz bílis. Só serve como uma área de armazenamento para ela (produzida no fígado) quando esta não está sendo requisitada para digestão. A vesícula biliar não é muito grande. Para armazenar muita bílis, as paredes da o vesícula biliar tiram a água da bílis que se concentra e se torna mais espessa. Quando há comida no estômago, um hormônio mensageiro chamado colecistocinina estimula a vesícula biliar a secretar água para diluir a bílis concentrada. Este hormônio também causa a contração da vesícula biliar para liberar a bílis para dentro do intestino. Quando a parede da vesícula biliar é infectada, ou a bílis é alterada de forma que não pode se concentrar nem pode ser diluída facilmente, o fluxo biliar não pode chegar ao intestino corretamente. Uma obstrução pode ser causada por bílis espessada que forma pedras que bloqueiam a abertura da vesícula. Cicatrizes de repetidas infecções podem deixar a abertura muito pequena. Às vezes, a parede de vesícula biliar não age de uma forma coordenada e não pode gerar bastante força para esvaziar a bílis (discinesia da vesícula). Todas estas coisas causam o estiramento das fibras da parede e sua inflamação produzindo dor. A dor é registrada pelo nervo vago (o nervo que, entre outras coisas, controla a deglutição e as batidas do coração) e pode ser sentido no lado direito superior (quadrante superior direito) do abdômen. Pode ser sentida dor em outras áreas, freqüentemente no dorso em baixo da escápula (omoplata) ou no meio do estômago. Obstrução súbita pode causar ataques agudos que não se resolvem sem cirurgia. A maior parte do tempo, entretanto, a pedra move para atrás e a vesícula biliar esvazia (quando a pedra é móvel). A dor desaparece mas pode ocorrer periodicamente, a qualquer hora. As pessoas podem ter pedras silenciosas na vesícula, sem nenhum sintoma. Mas uma vez que o indivíduo teve um ataque, é provável que eles continuem tendo ataques até a vesícula biliar ser removida. A vesícula biliar pode causar muitos sintomas diferentes, algum mais moderado que outros. Alguns ataques causam só desconforto digestivo ("indigestão") e/ou dor vaga. Perto de 20% das pessoas que têm sintomas não têm pedras que podem ser vistas em radiografia ou ultra-som. Estas pessoas têm doença da vesícula biliar, que é chamada discinesia biliar (funcionamento inapropriado da vesícula biliar. O problema é o mesmo, esvaziamento incompleto ou lento da vesícula (embora a bílis não tenha formado pedras).
 
causas
 
Muitas coisas podem afetar a função do vesícula biliar e podem causar a formação de pedras. A própria parede do órgão pode ser infectada e pode não trabalhar bem. A gravidez parece causar uma mudança na composição da bílis (produzindo pedras na vesícula). Alterações nas células vermelhas do sangue que as faz mais frágeis (com conseqüente destruição mais fácil) também afetam a composição de bílis. Colesterol aumentado e gordura na dieta podem estimular doença da vesícula biliar. Algumas colecistites são herdadas, mas isto é raro.
 
sintomas
 
O sintoma habitual é dor em vem e vai (tipo cólica), ou dor afiada constante na parte superior direita do abdômen. Esta dor também pode ser sentida debaixo das costelas e às vezes nas costas em baixo da lâmina de ombro certa. Esta dor pode ser associada com náusea e vomitando. Alguns ataques podem ser mais moderados, com inchar ou dor vaga no meio do estômago. Normalmente a dor acontece depois de uma comida mas pode acontecer qualquer hora a, até mesmo no meio da noite. Comidas gordurosas ou pesadas parecem fazer isto pior. Raramente, uma pessoa pode ter uma mudança em evacuações intestinais com o tamborete barro vistoso ou luz coloridas e a urina vira escuro.
 
diagnosticos
 
O diagnóstico é normalmente é feito por exame clínico e radiografia. Testes de laboratório mostrando anormalidades hepáticas pode ser útil. Normalmente a chave para o diagnóstico é o ultra-som. O exame é indolor e não invasivo e mostra pedras na vesícula na maioria dos casos. Quando uma pessoa tem dor na região superior direita do abdômen e um ultra-som que mostra pedras na vesícula, colecistite normalmente é o problema. Se o ultra-som não mostra pedras claramente, outros exames, incluindo uma endoscopia com injeção de contraste nas vias biliares podem ser feitos.
 
tratamentos
 
O tratamento para colecistite é a remoção da vesícula biliar. Desde o início dos anos 90, isto tem sido normalmente realizado por laparoscopia (acessa-se o abdômen por pequenas incisões e tubos equipados com instrumentos cirúrgicos minúsculos e uma pequena câmera de vídeo). Se a pessoa está no meio de um ataque agudo, a cirurgia pode precisar de ser feita da forma aberta tradicional. As pedras na vesícula tratadas com medidas que tentam dissolver as pedras (através de medicação) ou quebrá-las por ultra-som, normalmente não tem êxito porque as pedras tendem a retornar e essas medidas podem trazer complicações como colangites. Depois que a vesícula biliar é removida, as vias biliares se tornam uma área de armazenamento para a bílis. O corpo também usa mais eficazmente a bílis e recupera mais dela durante a digestão.