SUBLUXAÇÃO
Poder das Mãos Web
Links Úteis
NOTÍCIAS
Angiodermite pigmentar

 

Angiodermite pigmentar 
 
O que é?
 
Manchas que atingem as pernas resultantes do extravasamento de sangue de pequenos vasos sanguíneos. Acomete adultos e idosos que permanecem muito tempo em pé ou sentados. As células vermelhas do sangue, que saem dos vasos, dão origem à pigmentação de cor ocre resultante. O excesso de peso e as varizes favorecem o surgimento do quadro. 
 
Manifestações clínicas
As manchas atingem as pernas e tornozelos, começando bem pequenas e progressivamente confluindo para formar manchas maiores. Com a evolução, forma-se uma mancha, com formato de bota, de coloração castanha, ocre ou marrom.
A angiodemite pigmentar pode ser o estágio precursor de uma úlcera de estase, quando forma-se uma ferida de difícil cicatrização, geralmente iniciada por um pequeno traumatismo.
 
Tratamento 
Como medidas de prevenção, recomenda-se evitar o excesso de peso e permanecer em pé ou sentado por muito tempo. Para pessoas cujas profissões as obrigam a ficar nestas posições, é indicado o uso de meias elásticas compressivas e elevação dos membros sempre que possível. Também é recomendável adquirir o hábito de caminhar. 
As manchas são permanentes, de difícil remoção. O médico dermatologista é o profissional indicado para o correto diagnóstico da angiodermite.
 
Hemangiomas
O que são? 
Hemangiomas ou angiomas são proliferações de vasos sanguíneos que aparecem na pele como manchas ou tumorações, usualmente avermelhadas ou arroxeadas. Os tipos mais comuns de hemangiomas são o infantil, o angioma rubi, o granuloma piogênico e a mancha vinho do porto. 
Embora, em geral, os hemangiomas representem um problema unicamente estético, sangramento e compressão de estruturas podem representar um problema mais sério. É rara a transformação maligna de um hemangioma.
 
Manifestações clínicas 
Os hemangiomas mais frequentes são os seguintes: 
hemangioma infantil: podem estar presentes ao nascimento ou surgirem até o primeiro ano de vida. São mais comuns na face e no couro cabeludo, mas podem surgir em qualquer região do corpo, inclusive órgãos internos. Apesar de costumarem crescer de forma rápida, tendem a desaparecer espontaneamente antes da puberdade. Devido a esta característica, a conduta mais comum da maioria dos dermatologistas é o simples acompanhamento destas lesões. Alguns medicamentos podem estancar o crescimento e até fazer regredir estas lesões, tais como os corticóides sistêmicos e o imiquimod tópico. Entretanto, deve ser bem analisado se os riscos e efeitos colaterais destas drogas compensam seus possíveis benefícios. 
Angioma rubi: pequenas "bolinhas" vermelhas semelhantes a pedras de rubi que surgem principalmente no tronco de indivíduos de ascendência ibérica ao longo da idade adulta. Costumam proliferar mais rapidamente no verão e, eventualmente, regredir com o frio. 
granuloma piogênico: tumores de cor vermelho vivo que sangram com facilidade e crescem rapidamente. Muitas vezes dolorosos, surgem principalmente nos cantos das unhas dos dedões em decorrência de unhas encravadas e uso de sapatos apertados. Embora produza alívio temporário, cortar os cantos das unhas ou remover estas, só agrava a situação. O ideal é cortar as unhas de forma reta, deixando as suas pontas sairem pelos cantos, por sobre a pele. Muitas vezes é necessário que procedimentos como cauterização química e colocação de "calços" sob as unhas sejam realizados por um dermatologista ou profissional indicado por este. Antibióticos tópicos ou sistêmicos podem ser utilizados em casos de infecção ou inflamação intensa. Casos mais graves podem necessitar de cirurgia para canto de unha acompanhada de destruição da matriz da unha, de forma química ou cirúrgica. 
Mancha vinho do porto: como o nome diz, são manchas cores de vinho do porto ou salmão, localizadas com maior frequência na face. Apesar de não representarem um problema além da estética, se o paciente decidir que deseja removê-la, o laser costuma ser a melhor opção. 
 
Tratamento 
O tratamento de lesões pequenas é fácil, podendo ser utilizada a eletrocoagulação ou a excisão e sutura das lesões. Outro procedimento utilizado para o tratamento dos hemangiomas é a criocirurgia. É importante que o médico que esteja realizando o procedimento esteja atento ao sangramento e tenha a mão os equipamentos necessários para a contenção deste. 
Hemangiomas maiores podem precisar de retalhos ou enxertos para sua correção. O uso de lasers é uma boa opção para lesões de difícil manejo, devendo-se sempre observar o custo, o número de sessões e a adequada aparelhagem.
co da doença geralmente baseia-se nas suas características clínicas, mas uma biópsia pode ser necessária para a confirmação.