SUBLUXAÇÃO
Poder das Mãos Web
Links Úteis
ARTIGOS
Hemorragia durante a gravidez

 

Hemorragia durante a gravidez
 
O que voce gostaria de saber
 
descriçao
 
Existem varias causas de sangramento durante a gravidez. Podemos dividi- las em dois grandes grupos: síndromes hemorrágicas da primeira metade da gravidez, e síndromes hemorrágicas da segunda metade da gravidez. Quanto as causas de hemorraria na primeira metade temos abortamento, gravidez ectópica e mola hidatiforme. Todas estas levam obrigatoriamente a interrupção da gestação. Quanto as causas de hemorragia na segunda metade temos como causas a inserção baixa da placenta e descolamento prematura de placenta. Estas condições podem levar a uma antecipação do nascimento do bebê ou até a sua morte. Qualquer tipo de sangramento vaginal durante a gravidez deve ser avaliado por um ginecologista.
 
causas
 
Existem inúmeras causas do sangramento vaginal durante a gravidez. Como já foi citado anteriormente, temos abortamento ou por alterações anatômicas incompatíveis com o desenvolvimento do feto, ou provocado por medicamento, gravidez ectópica, que é a implantação do ovo em outro local, que não o útero, que acarreta em muita dor local e sangramento, que pode levar até a um choque hemorrágico se não tratado na emergência e mola hidatiforme como causas de hemorragia. Já, observaremos como causas de hemorragia no segundo semestre inserção baixa de placenta e descolamento prematuro de placenta, que pode ser causado espontaneamente ou por trauma.
 
sintomas
 
Uma mulher pode passar pela experiência de sangramento vaginal com ou sem dor ou dores do parto.
 
diagnosticos
 
Para o diagnóstico, devemos fazer um rigoroso exame da pelve, avaliando colo do útero, podemos utilizar exame de imagem, como o USG, que nos permite não somente observarmos o útero, mas também podemos avaliar as trompas a procura de uma gravidez ectópica. Durante este exame também podemos observar o feto, se ele esta vivo, sua posição, se a gravidez é molar (mola hidatiforme) e também nos permite avaliar a placenta, caso haja inserção baixa desta ou seu descolamento. Devemos checar através de exames de hormônio ou o nível de HCG para realmente confirmarmos a gravidez, caso a gestação ainda esteja muito no começo.
 
tratamentos
 
Nem todos os sangramentos vaginais necessitam de tratamento. Caso não ocorra a perda do feto, será necessária a observação cuidadosa dessa gravidez e repouso: os tratamentos incluem: dilatação, curetagem caso tenha morte fetal no primeiro trimestre de gravidez, abortamento ou mola. Caso tenha sido gravidez ectópica, podemos utilizar a laparoscopia para retirada do ovo que está inserido em local que não o útero. Talvez exista a necessidade de laparotomia caso haja a ruptura deste ovo, o que acarreta em sangramento intenso, podendo levar a mãe a um estado de choque, e até morte. Caso o sangramento seja no segundo trimestre, o repouso absoluta e avaliação periódica do ginecologista é primordial para a boa evolução da gestação. Caso seja necessário intervenção cirúrgica, teremos o risco de sangramento, infecção, complicações da anestesia e como toda cirurgia possui, o risco de morte deve ser sempre levado em conta, mesmo que na maioria dos casos seja um risco pequeno. Caso seja realizado transfusão sanguínea, esta implica em reações alérgicas e risco de doenças. Todas as medicações possuem seus efeitos colaterais. A maioria dos casos de suspeita de interrupção da gravidez evoluem bem, sem problemas no futuro. Caso ocorra a perda do feto, a mulher deve procurar a causa base que provocou esta perda, para assim evitar que o mesmo ocorra novamente em uma futura gravidez. Caso a mãe tenha perdido muito sangue, talvez seja necessário o uso de vitaminas e ferro para reposição destes no organismo, prevenindo assim a anemia, que causa fatiga crônica. Caso haja o risco de parto prematuro, existem medicações que diminuem as contrações uterinas, para assim esticar ao máximo o período da gestação, no mínimo até a 36 semana.